Uma idosa de 68 anos morreu nesta segunda-feira (18) após ter inalado a fumaça gerada pelo vazamento tóxico em Guarujá, no litoral de São Paulo, na semana passada. Uma guia médica que o G1 teve acesso aponta a causa da morte de Leia Magalhães de Maria como 'acidente relacionado a fumaça tóxica'.

Em nota enviada ao G1, a Prefeitura de Jundiaí confirma que o Samu do município atendeu a paciente nesta segunda-feira (18). Com quadro instável, ela foi encaminhada para o Hospital Pitangueiras, uma instituição particular que emitiu a guia de encaminhamento. As causas da morte, de acordo com o IML, foram insuficiência respiratória, pneumonite química, inalação de fuligem e gases tóxicos.

Leia era moradora do bairro Sítio Paecara, no distrito de Vicente de Carvalho. Na quinta-feira (14), após inalar a fumaça tóxica por conta do incêndio, ela apresentou náuseas, vômito e asfixia. Um dos filhos da idosa a levou para Jundiaí, no interior de São Paulo, cidade onde ele reside. Com os mesmos sintomas, a aposentada foi encaminhada para o Hospital das Pitangueiras, onde recebeu cuidados médicos e foi liberada.

Porém, os sintomas persistiram e, nesta segunda-feira, Leia foi encaminhada pelo Serviço de Atendimento Móvel (SAMU) ao mesmo hospital. Por volta das 11h, foi decretada a morte da idosa.

De acordo com o guia de encaminhamento de cadáver, expedido pela Secretaria de Saúde da Prefeitura de Jundiaí, a causa da morte foi acidente por conta de intoxicação.

Um dos filhos da vítima registrou um boletim de ocorrência, no 6º Distrito Policial de Jundiaí, por morte suspeita. O enterro da idosa será às 10 horas desta terça-feira (19) no Cemitério Municipal de Vicente de Carvalho.

Fim dos trabalhos

O incêndio terminou 37 horas após o vazamento de gás ter ocorrido no Distrito de Vicente de Carvalho. As chamas acabaram depois de o Corpo de Bombeiros começar a abrir os últimos contêineres em chamas para lançar água em seu interior.

A informação foi confirmada pelo comandante do Corpo de Bombeiros, Eduardo Nocetti Holms. “Agora, nós iremos fazer a desmobilização das equipes. Os trabalhos foram concluídos", disse.

Durante os trabalhos, 22 bombeiros e 4 brigadistas tiveram complicações por conta do incêndio. Três bombeiros tiveram de ser atendidos na Santa Casa de Santos. Todos foram liberados.

As autoridades se reuniram neste sábado (16) para decretar o encerramento do gabinete de crise, que envolveu diversos órgãos do setor público. A conclusão do gabinete foi definida após os órgãos chegarem a um consenso de que a situação de momento é tranquila, e que os moradores da região estão seguros.